tags

2010

acetato

aerosoles

alive

alves/gonçalves

ana salazar

anabela baldaque

andreia filipa oliveira

andreia lobato

armindo teixeira

atelier do sapato

bárbara silva

brand^up

ca joias

calendário de desfiles

carlos gil

casting

celsus

celtic jeans

chocolate negro

cohibas

colecções

colectivo calçado

colectivo indústria

colectivos

comunidade

concreto

coxx

coxx borba

cristina miguel

de gier

dielmar

diogo miranda

dkode

domingo

eject

eject shoes

elizabeth teixeira

eugenio campos

fashion week2

fátima lopes

fatima lopes

fátima lopes homem

felipe oliveira baptista

felmini

fernando lopes

figuras públicas

filipe trindade

fly london

gaia

goldmud

hermar

id values

jordann santos

josé reis design

jotex

jovens criadores

julio torcato

júlio torcato

katty xiomara

leuna

lion of porches

louis de gama

luís buchinho

luís onofre

luis onofre

marco mesquita

marco sousa santos

miguel vieira

nobrand

odete barreiro

orfama

orfama antónio cunha

orfama by antónio cunha

outono/inverno 2010/2011

passatempo

paula borges

paula borges by lúcia borges

pedro pinto

pedro waterland

portugal fashion

press release

programa

red oak

rita bonaparte

sábado

segunda-feira

sexta-feira

silvia rebatto

sofia de almeida

sonia pratas

stiletto

story tailors

storytailors

storytailors narkë

tany calapez

tenente jeans

verão 2008

x & y couture

yes

todas as tags

Sexta-feira, 19 de Março de 2010
ANA SALAZAR QUESTIONA VALORES

A terminar a noite, sobe à passerelle a nova colecção Outono/Inverno de Ana Salazar, que assim regressa às edições nacionais do Portugal Fashion, após participações em 2000 (Porto), 2001 (Funchal e Porto), 2002 (Figueira da Foz e Porto) e 2003 (Figueira da Foz). Aquela que é uma das maiores referências da moda nacional também fez desfilar as suas colecções com o apoio do Portugal Fashion na 7th on Sixth Fashion Week, em Nova Iorque (2000 e 2001), bem como em São Paulo, já em 2010. Agora, Ana Salazar vai dar a conhecer a colecção “Questionar Valores”, onde predominam o negro, o dourado velho, o terra, o verde floresta, o roxo púrpura, o vermelho sangue e o branco. Ao nível dos materiais, a estilista optou por rendas, feltros, lãs frias, encanastrados, tecidos com acabamentos lacados e “aborrachados”, cetins, musselines e veludos em printings de temas religiosos e florais.


Ana Salazar revolucionou a moda portuguesa quando, nos anos 70, introduziu novos conceitos estéticos no universo do pronto-a-vestir nacional e organizou eventos para apresentação de colecções, à semelhança do que se fazia lá fora. Daí à consagração, nacional e internacional, foi um passo muito curto. Logo em 1978 criou uma marca com o seu nome, cujas peças passaram a ser comercializadas em lojas próprias e pontos de venda quer em Portugal, quer no estrangeiro. O sucesso internacional foi, de resto, consolidado com a abertura, em 1985, de uma loja/showroom em Paris, tendo o espaço da criadora sido considerado, pela revista Marie Claire francesa, como um dos “Novos Templos da Moda”.
A partir do final dos anos 80, Ana Salazar começa a apresentar, sazonalmente, as suas colecções em Lisboa, Paris, Milão e Nova Iorque. Entretanto, lançou uma linha de perfumes com o seu nome (homem e senhora) e a “linha maison”. Em 1997 é agraciada pelo Presidente da República, Jorge Sampaio, com a Condecoração de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique. Já nesta década desenvolve a colecção de óculos ópticos Eyewear Ana Salazar, expande a sua rede de lojas, cria uma linha de jeans e lança uma linha de têxteis-lar, entre outras actividades relevantes. Em 2009, um grupo de investidores liderado por João Barbosa e Luís Aranha entrou no capital do grupo Ana Salazar, com o objectivo de expandir a marca a nível nacional e internacional. Ana Salazar continua, porém, como accionista e directora artística do grupo.


Concluído o primeiro dia de desfiles, os estilistas consagrados cedem a passerelle aos novos designers Andreia Filipa Oliveira, Fernando Lopes, Hugo Veiga e Luciana Teixeira, que integram o desfile colectivo Jovens Criadores, agendado para o início de sábado, dia 20. Refira-se que estes quatro jovens são os finalistas do Concurso de Design de Moda organizado pelo Portugal Fashion e, por isso, foram seleccionados para participar nesta 26.ª edição, onde vão ter a oportunidade de mostrar o seu talento.


O programa do 26.º Portugal Fashion prossegue, no sábado, com outro desfile colectivo, nesta caso dedicado ao calçado. Uma vez mais organizado em parceria com a APICCAPS – Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes e Artigos de Peles e seus Sucedâneos, o desfile inclui oito marcas de um dos sectores mais competitivos da economia nacional: Atelier do Sapato, Chocolate Negro, Dkode, Fly London, Goldmud, Nobrand, Stiletto e Y.E.S. Desta forma, o Portugal Fashion continua a cobrir as várias vertentes da Fileira Moda e a promover o seu cruzamento em passerelle.


Seguem-se diversos desfiles individuais, onde pontificam as marcas Lion of Porches, Red Oak e Dielmar, o designer de calçado Luís Onofre, a irreverente dupla Storytailors e os criadores Luís Buchinho e Fátima Lopes. A Lion of Porches vem apresentar a sua nova colecção de sportswear, habitualmente refinado e de forte inspiração britânica; a equipa de design da Red Oak promete propostas baseadas no conceito “nómada urbano”; a Dielmar inspirou-se no filme “Chicago” para criar as suas peças de alta alfaiataria. Já Luís Onofre propõe a colecção “Artic Travel”, onde se destacam as botas para senhora. “Modelos de saltos vertiginosos contrastam com botas rasas, num acentuado e requintado look vintage”, avisa o designer. Mas a grande novidade do seu desfile são as malas de viagem, “ricamente ornamentadas, com detalhes apurados, onde se mistura o prático com luxo e sumptuosidade”.


Fazendo de cada desfile uma coreografia encenada ao pormenor, os Storytailors trazem à passerelle do Portugal Fashion a colecção “Gentlewomen”. Casacos (sobretudos, invernosas, robe-manteaux, blazers e boleros), vestidos (para dia e noite), tops (camisas, espartilhos e outros) e saias e calças com diferentes silhuetas são as peças que povoam o conjunto de propostas da dupla. Na colecção outonal dos Storytailors, as cores derivam da paleta da bandeira nacional (vermelhos, rosas, bordeaux, amarelo, caramelos, cremes, chás, verdes, azul-escuro, preto e branco), enquanto nos materiais predominam as lãs, os algodões, as fazendas, as sedas e os novos tecidos (popeline de algodão com acabamento encerado). 
 

publicado por Equipa SAPO às 17:09
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 16 de Março de 2010
Storytailors - OUTONO/INVERNO 2010/2011

“Gentlewomen”


É um sussurro de revolta

É a vontade de ser feliz e de fazer feliz;
É a libertação;
É o respeito e a admiração pelo corpo e pela singularidade das formas femininas;
É a consciência de que a elegância não é uma ditadura, nem é absoluta, está ao alcance de todos pois é sinónimo de bem-estar; basta ter autoconhecimento e saber usar as “ferramentas” certas.

E o vestuário no meio de tudo isto?

O vestuário pode ser “as ferramentas certas”, o agente libertador.
Cada mulher deve sentir-se confortável com a sua silhueta, respeitá-la, interpretá-la e poder reinventá-la.
A alfaiataria é a paixão pela construção do vestuário. Não é masculina, abraça ambos sexos.
Para ser livre, a mulher não tem hoje que se vestir como “um homem”, nem mimetizar qualquer estereótipo. Pode criar a sua própria linguagem visual e ser intemporalmente elegante.

A roupa não deve usar a mulher, a mulher deve usar a roupa.
A ditadura e o medo só existem se os deixarmos entrar nas nossas cabeças
Viva a liberdade de expressão,
Viva a revolução...

As principais revoluções
não têm que ser violentamente gritadas,
basta-lhes ser ... carinhosamente... sussurradas

 

INSPIRAÇÃO

  • O centenário da instauração da República em Portugal, com nuances militares num imaginário de fervor nacionalista, de disputa quase tribal entre regimes e ideais diferentes. 
  •  A alfaiataria enquanto arte da construção de vestuário; grandes mestres como Charles Frederic Worth, Cristobal Balenciaga ou Christian Dior; a importância de criadoras como Madeleine Vionnet e Coco Chanel na inovação estética e libertação do corpo, contribuindo para que a adopção de uma silhueta se viesse a tornar de escolha livre.
  • Os movimentos de libertação e imposição social da mulher.
  • Uma evolução da colecção anterior: Flores de Estufa/Flores de Combate e as mulheres que a inspiraram – sete Portuguesas que desempenharam um papel importante para a evolução e modernização de Portugal e da Europa entre os séculos XIV a XIX, tendo fomentado por exemplo o intercâmbio cultural entre o Oriente e o Ocidente.  

PEÇAS
Casacos: sobretudos, invernosas, robe-manteaux, blazers, boleros.
Vestidos: para dia e noite.
Tops: camisas, espartilhos, outros.
Saias de várias silhuetas.
Calças de várias silhuetas.

 

CORES
Derivações da própria bandeira nacional:
- Do vermelho - vermelhos, rosas, bordeaux;
- Do amarelo - caramelos, cremes e chás;
- Verde em vários tons;
- Azul-escuro;
- Preto e branco.
 
TECIDOS

  • Lãs:

- Fazendas em casacos, com mistura de mohair;
- Feltro em casacos;
- “Lãs frias”: sarjas de vários pesos em saias, calças e vestidos;
- Crepe em saias, calças e vestidos.

 

  • Algodões:

- Os piqués de algodão com elastano em casacos, calças e saias;
- As popelines em camisas;
- A renda de “frioleiras” em fio de algodão.  

 

  • Sedas:

- Cetim duchesse;
- Faille;
- Moiré;
- Gorgorão;
- Organza;
- Tule;
- Marrocain.

 

  • Os novos tecidos:

- A popeline de algodão com acabamento encerado em camisas e pormenores. Um tecido clássico cujo acabamento torna inesperado.

 

DETALHES 

  •  O corte e metodologia de construção das peças, desenvolvidos internamente pela Storytailors, fundem os princípios de construção e modelagem ocidentais e orientais: cortes e estruturas tridimensionais desde a sua origem vs formas inteiras bidimensionais manipuladas, cuja terceira dimensão lhes é conferida pelo corpo.
  • Detalhes de inspiração militar a várias escalas.
  • Detalhes artesanais: a renda de “frioleiras” (delicada renda portuguesa a que gostamos de chamar “renda da mulher do pescador” porque é feita com uma pequena “naveta”, semelhante à usada para as redes de pesca) que tem vindo a cair no esquecimento; há 100 anos, ainda era feita de Norte a Sul do país, em detalhes do vestuário, toalhas ou naperons.
  • Os casacos trabalhados aliando aspectos da alfaiataria tradicional com novos processos, no âmbito de promover uma nova alfaiataria.
  • O espartilho “Gentlewoman”. Com uma silhueta bem estilizada e uma cintura marcada, este espartilho é o resultado do permanente trabalho da Storytailors numa nova corseterie. A adicionar aos outros modelos de espartilhos que são já básicos Storytailors.
  • As camisas com cortes desenvolvidos especificamente para o corpo feminino e apontamentos reinterpretados da camisaria masculina tradicional.
  •  Os pins artesanais.

 

BIJUTERIAS
Marta Fontes

 

CABELOS
Helena Vaz Pereira para Griffe Hair Style

 

MÚSICA
Mistura por Tiago Amaro BLASFEMEA

 

SAPATOS
UMU por Pedro Alves para Storytailors

 

  

CONTACTOS
STORYTAILORS STORE
Calçada do Ferragial 8 – Chiado
t. 96 523 3179 | t. 21 343 2306
e. store@storytailors.pt  | w. www.storytailors.pt
 

publicado por Equipa SAPO às 17:16
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009
Storytailors

“Flores de Estufa/Flores de Combate” é uma homenagem à mulher e ao seu papel na história ao longo do tempo, da época mais remota ao vislumbre de um futuro próximo. É também a celebração do vestuário e da sua importância na afirmação do indivíduo – verdadeira ferramenta para travar as batalhas mais ferozes e viver as fantasias mais doces. Carapaça protectora e segunda pele delicada coexistem numa mesma dimensão. “Flores de Estufa/Flores de Combate” somos todos nós.

 

INSPIRAÇÃO

Numa viagem entre o Ocidente e o Oriente, as nossas “Flores de Estufa/Flores de Combate” seguem nos dias de hoje as pisadas de grandes mulheres da história portuguesa, algumas mais lembradas do que outras; princesas nascidas portuguesas e que, por matrimónio, reinaram noutros países, desempenharam um papel fundamental para o intercâmbio cultural. Mulheres como a princesa Isabel de Portugal - uma das mais bonitas princesas europeias de sempre - filha de D. Manuel I, que ao casar com Carlos V se tornou a “Imperatriz perfeitíssima”; ou a princesa Catarina de Bragança, que viria a ser rainha de Inglaterra e levaria o chá para este país. Foi ainda ela que trouxe, mais tarde, os leques do Oriente para a Europa. Frágeis e fortes, mulheres, de que estas são exemplos, tornam-se heroínas de histórias, ícones pop, referências culturais. Inspiraram-nos também as histórias de um tecido e uma renda tidos como referências da cultura popular portuguesa: a chita e as frioleiras. De origem indiana, este tecido foi trazido via rota do Oriente para vários países europeus, levando a algumas novas versões: o “Liberty’s” na Inglaterra, o “Toile de Jouy” em França, e a Chita em Portugal, que se distingue dos outros numa versão que casa riscas e flores em cores primárias; esta chita portuguesa deu por sua vez origem à chita brasileira, em que as riscas se perdem e as flores se tornam exóticas e maiores, em cores garridas. Já as frioleiras (renda delicada a que gostamos de chamar “renda da mulher do pescador”, por ser feita de nós com uma naveta pequenina, parecida a uma escala menor com as usadas para fazer as redes de pesca) estão praticamente esquecidas; há cem anos ainda eram feitas de Norte a Sul do país, em encaixes de peças de vestuário, em toalhas ou naperons.

 

PEÇAS

1- Casacos: robe-manteaux, blazers, boleros, outros.

2- Vestidos: para dia e noite.

3- Tops: camisas, espartilhos, outros .

4- Saias de várias silhuetas.

5- Calças de várias silhuetas.

 

CORES

Uma paleta floral extraída das chitas portuguesas: encarnados e rosas, verdes, púrpura, areia e, como não podia deixar de ser, branco e preto.

 

TECIDOS

Algodões: - Os piqués de algodão com elastano em casacos, calças e saias. - Os jerseys estampados em tops. - A sarja de algodão estampada em pormenores. Sedas: - O georgette de seda estampado em mangas tufantes. Os novos tecidos: - Algodão com metal, recortado a laser com motivo Storytailors. - A popeline de algodão com acabamento encerado em camisas e pormenores. Um tecido clássico cujo acabamento torna inesperado.

 

DETALHES

- O corte e metodologia de construção das peças, desenvolvidos internamente pela Storytailors, fundem os princípios de construção e modelagem ocidentais e orientais: cortes e estruturas tridimensionais desde a sua origem vs formas inteiras bidimensionais manipuladas, cuja terceira dimensão lhes é conferida pelo corpo.

- Detalhes militares e artesanais.

- Casacos trabalhados aliando aspectos da alfaiataria tradicional com novos processos, com o intuito de promover uma nova alfaiataria.

- Espartilho “Clepsidra”. Com uma silhueta bem estilizada e uma cintura marcada, este espartilho é o resultado do permanente trabalho da Storytailors numa nova corseterie. A adicionar aos espartilhos “Story” e “Miss Sylphe”, modelos que são já básicos Storytailors.

- Camisas com cortes desenvolvidos especificamente para o corpo feminino e apontamentos reinterpretados da camisaria masculina tradicional.

- Padrões desenvolvidos a partir das chitas portuguesas, numa batalha de riscas versus flores.

- Passamanarias em renda de frioleiras feita com cordão de seda.

- Pins artesanais.

 

BIJUTARIAS

Marta Fontes

 

CABELOS

Helena Vaz Pereira para Griffe Hair Style

 

MÚSICA - DESFILE

Mistura por Tiago Amaro BLASFEMEA

 

SAPATOS

UMU por Pedro Alves para Storytailors

 

CONTACTOS

Storytailors Store . Lisboa

Calçada do Ferragial 8 – Chiado

m. 96 523 3179

t. 21 343 2306

e. store@storytailors.pt

 

Vendas Sofia Beirão

m. 96 584 7734 | t. 21 343 2306

e. sofia.beirao@storytailors.pt

w. www.storytailors.pt

publicado por Equipa SAPO às 12:09
link do post | comentar | favorito
|
posts recentes

ANA SALAZAR QUESTIONA VAL...

Storytailors - OUTONO/INV...

Storytailors

STORYTAILORS NARKË - Verã...

STORYTAILORS ATELIER - hy...

Storytailors contam uma h...

Narkë e Luís Onofre

Arranque com os Storytail...

Storytailors | Grand fina...

arquivos

Março 2010

Outubro 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Março 2008

Outubro 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Pub